IURD Cenáculo Brasilândia Rua,Parapuã,1885, V. Brasilândia, São Paulo, SP

Loading...

À suposta maldição sobre negros e africanos, a atuação da militância gay na Câmara dos Deputados e a legitimidade da permanência do Deputado Pastor Marco Feliciano na Presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias.


Repúdio à suposta maldição sobre negros e africanos

Repudiamos o uso inadequado das Escrituras Sagradas, a Bíblia, juntamente com as interpretações e afirmações daí decorrentes, as feitas quanto a supostas maldições existentes sobre africanos e negros.

Afirmações desta natureza são fruto de leitura mal feita de parágrafos bíblicos, tomados fora do seu contexto literário e teológico, que acabam por colaborar com os interesses de justificar pensamentos e práticas abusivas, contrárias ao espírito da Palavra de Deus, cujo foco está na Justiça, na Libertação e na promoção da Vida e Dignidade Humana.

O texto em questão, encontra-se no Livro de Gênesis capítulo 9, versos 20 a 27.

Nessa passagem Noé, embriagado, despe-se e assim é surpreendido por seu filho Cam que, ao invés de manter a discrição e o respeito devidos ao pai, o anuncia aos seus irmãos; estes se recusam a ver o pai nesse estado e, sem olhar para ele, cobrem-no com uma manta. Desperto Noé, ao saber da postura de seu filho Cam, amaldiçoa seu neto Canaã, filho de Cam, destinando-lhe a servidão.

A maldição proferida sobre Canaã pelo seu avô Noé significou uma percepção e discernimento sobre uma tendência comportamental de um grupo humano, antevendo o resultado de uma corrupção cultural e civilizatória específica e localizada, e em consequente servidão, e de modo nenhum faz referência à cor da sua pele.

Não há nada, absolutamente nada, nem neste texto bíblico em foco nem na Escritura como um todo, que indique qualquer maldição sobre negros e africanos, e muito menos algo que justifique a escravidão. O texto bíblico precisa ser lido em seu contexto imediato e considerado à luz da totalidade da Escritura.

 Lamentamos o equívoco provocado por tal vulgarização do texto bíblico, bem como a banalização quanto ao conteúdo de nossa fé, assim como repudiamos qualquer tentativa, intencional ou não, de uso inadequado do texto para quaisquer fins que não o de promover a vida, a libertação e a justiça, como a própria Escritura expressa muito bem. Leia o texto na integra clicando aqui.

A atuação da militância gay na Câmara dos Deputados

vivemos um tempo que me fez lembrar um poema: "Quando levaram os comunistas eu me calei, porque eu não era comunista. (...) Quando levaram os judeus, eu não protestei, porque, afinal, eu não era judeu. Quando eles me levaram, não havia mais quem protestasse."

Esses versos podem parecer distantes como o nazismo dos livros de história. Não devemos acreditar que aquele regime funcionava somente porque Hitler queria. Aquele regime operava atrocidades porque as massas o apoiavam. A mesma massa que pediu a condenação de Jesus e a de Sócrates. Aristóteles, reconhecendo o que aconteceu ao grande Filósofo, temia a degeneração da democracia num sistema demagógico que manipulava as paixões populares.

A natureza humana não muda simplesmente com o passar do tempo. É preciso uma conversão pessoal ou um sistema jurídico que controle as paixões das massas.

A democracia de hoje é um sistema que se organiza com instituições sólidas, com regras que todos devem cumprir. Pode-se não gostar do resultado, mas não se pode impedir a sua realização. Democracia dos modernos é isto: participação popular com respeito às instituições.
As massas de hoje por um mundo melhor têm a mesma natureza daquela que pediu por Barrabás. Se o sistema político legítimo elege alguém que não é do agrado dos modernosos, eles acham que têm direito moral de subir nas tribunas das Comissões e exigir a renúncia do Presidente eleito.

Os modernosos têm uma compulsão em tentar fazer os outros adotarem a sua agenda. Quem não concorda com a visão de mundo deles corre o risco de ser perseguido e de ser humilhado por não se enquadrar na moral que defendem.

Não esperemos que eles compreendam a violência que praticam. Basta que comparemos o que fazem agora com o que faziam as milícias populares do século XX. Os cientistas sociais captaram nisso as origens do totalitarismo.

Não esperem que o totalitarismo se imponha subitamente. Ele irá implantar-se na medida em que as instituições vão sendo dilapidadas pela ação das massas lideradas por demagogos. Como diz Hannah Arendt, as ideologias do fascismo, bolchevismo e nazismo foram lideradas pela geração que se achava de vanguarda.

Hoje percebo alguma coisa parecida. Mesmo acreditando que o comportamento sexual dos adultos diga respeito somente a eles, uma vanguarda surge e exige que a política representativa se submeta à agenda dos militantes gays.

Quem não concorda com a militância é acusado de homofóbico. A militância transforma o comportamento sexual estritamente privado em uma agenda política violenta, como se viu na Câmara dos Deputados.

A legitimidade da permanência do Deputado Pastor Marco Feliciano na Presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias

Conceitualmente, as vanguardas militantes dividem a política entre amigos e inimigos. Quando a política não realiza a agenda pretendida, a vanguarda totalitária moderna procura a cooptação social para substituir o sistema representativo de governo. Sistema que foi criado justamente para limitar os demagogos de toda hora.

Quando a democracia apresenta limites, para evitar a repetição do incêndio provocado no Parlamento alemão, essa vanguarda ruidosa diz hoje que o Presidente da Comissão não lhe representa.

Quem disse que a legitimidade da representação foi dada somente por eles? Além da violência, o problema do totalitarismo é que ele não reconhece no outro a legitimidade de existir. O que surpreende mais é a indiscutível atração que esses movimentos exercem tanto na elite como nas classes menos favorecidas.

Vivemos tempos perigosos. Tempos em que os pontos de vista dos modernosos trazem uma força moral grande através da propaganda do "vitimismo". Sorte que temos um regime constitucional que impede os movimentos totalitários de usar todo o potencial de terror que possuem.

É o mesmo regime constitucional que garante a permanência do Deputado Feliciano na Presidência da Comissão de Direitos Humanos. Não se deve dar pouca atenção à vanguarda totalitária, porque senão: "Na primeira noite colhem uma flor de nosso jardim, e não dizemos nada. Na segunda, matam nosso cão, e não dizemos nada. Até que, conhecendo nosso medo, arrancam-nos a voz da garganta. E porque não dissemos nada, já não podemos dizer nada."

ANTONIO BULHÕES 
(Dep. Federal PRB-SP. Pronunciamento encaminhado pelo orador 09/04/13.)


Os textos apresentados nos leva a refletir e afirma nossa posição diante dos recentes acontecimentos políticos, religiosos e sociais de nosso pais.



Que Deus nos oriente, na Fé!

Um comentário:

  1. EM NOSSA SOCIEDADE EXISTE PESSOAS QUE GOSTAM MUITO DE JULGAR AS OUTRAS MESMO SEM SABER O PORQUE DE TUDO QUE ESTÁ ACONTECENDO. NO CASO DO CASAMENTO GAY É UMA COISA QUE PARECE NÃO TER FIM, MAUS VAI TER SIM POR ELES MESMOS. QUANTO A PERMANÊNCIA DO MARCOS FELICIANO, É UMA COISA QUE SO ELES PODEM RESOLVER SÓ PODEMOS É ORAR POR ELE E QUE DÊ TUDO CERTO PARA ELE. AOS NEGROS AFRICANOS É A FALTA DE AMOR AI PRÓXIMO, NÃO PODEMOS DESCARTAR NOSSOS IRMÃOS POR NADA E MUITO MENOS EM RELAÇÃO A RAÇA DEUS NOS AMASEM DISTINÇÃO DE COR, RAÇA OU OUTRA COISA. VAMOS ORAR E ACEITAR NOSSOS IRMÃOS PESSOAL, NÃO SOMOS MELHOR DO QUE OS NOSSOS IRMÃOS.

    ResponderExcluir

Todos comentários são bem vindos.

Porém, se o seu comentário,conter qualquer tipo de agressão, ofensa ou desrespeito para com a Instituição Igreja Universal, para com seus líderes ou para com o autor deste blog, removeremos seu comentário sem aviso prévio.

Desde já agradeço o comentário.

Que Deus nos oriente,na Fé!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...